Surf - Remédio para a ansiedade; Por Marcos Anastácio
Surf: remédio para a ansiedade | Por Marcos Anastácio
Dezembro 31, 2020
Angels Surf School - O vicio digital
Sites de Surf: o nosso vício digital
Maio 31, 2021
Mostrar tudo

20 Filmes de Surf que Deverias Conhecer

Angels Surf School - 20 Filmes para ver

Poucos desportos no mundo devem ter uma cinematografia tão rica e diversa quanto o surf.

 

Dos filmes de grande formato aos clipes de internet, desde que o inventor americano Thomas Edison captou imagens de beach boys havaianos na praia de Waikiki, em 1906, nunca mais se deixou de tentar transferir para filmes, fitas magnéticas ou cartões de memória as sensações únicas de deslizar de pé sobre as ondas numa prancha. Para os surfistas, estes filmes são um prolongamento das nossas experiências no mar, e fonte de inspiração para novas manobras, novas descobertas, novas referências estéticas.

Na lista abaixo, vais encontrar 20 filmes que retratam diferentes formas de ver e mostrar o surf. Todos são simbólicos de qualquer coisa: qualidade, personagens, épocas, estilos, explorações, performances. Porque o surf é isto tudo e muito mais.

The Endless Summer (1996)

Bruce Brown

Com: Mike Hynson, Robert August, Tallyho Blears

91 minutos

Endless Summer está para os filmes de surf como os Beatles estão para a música pop: pode não ser o nosso preferido, podemos não o ver muitas vezes, mas sabemos da sua existência e soa sempre familiar. Foi o filme que cristalizou os ideais que vivemos ou gostamos de pensar que vivemos: viagem, aventura, descoberta, companheirismo. De visionamento obrigatório, nem que seja por uma vez na vida.

Litmus (1996)

Andrew Kidman

Com: Derek Hynd, Wayne Lynch, Tom Curren, Joel Fitzgerald, Kelly Slater, Mark Occhilupo.

56 minutos

Filmes de teor artístico-artesanal, movimento das pranchas retro e do valor de estilos “alternativos” de surf, perda de complexos sobre a controversa relação entre o surf e as drogas, Irlanda como destino de surf… Foi Litmus a dar início a tudo isso. Mais que um filme, é uma declaração de princípios. Kidman reinventou a arte do filme de surf e poucos terão sido tão influentes.

 

Fábio Fabuloso (2004)

De Pedro Cézar, Ricardo Bocão António Ricardo

Com: Fábio Gouveia, Flávio Padaratz, Bernardo Pigmeu

63 minutos

Divertido, criativo e inspirador. A história de Fábio Gouveia, o maior surfista brasileiro do século XX, é aqui contada de forma magistral, fazendo uso de uma estética devedora da literatura de cordel oriunda do Nordeste do Brasil para tecer uma cativante fábula de surf. O trabalho de edição, banda sonora e ilustração é brilhante, mas onde o filme triunfa é no retrato que faz da personalidade cativante de Fabinho, um os mais folclóricos e genuínos surfistas que já passou pelo Tour mundial.

Morning of the Earth (1971)

De Albert Falzon

Com: Michael Peterson, Terry Fitzgerald, Nat Young, Rusty Miller

79 minutos

O surf no apogeu da era hippie, onde uma vivência rural nas praias australianas contrastava com a revolução da performance possibilitada pela Shortboard Revolution. O ambiente e cadência imprimidos por Falzon influenciam cineastas de surf até aos dias de hoje, e o retratado estilo de vida da comunidade de Byron Bay tornou-se no modelo para aquilo que hoje é rotulado de “soul surfing”. Morning of the Earth representa como poucos o momento em que o surf se torna psicadélico.

Andy Irons: Kissed By God (2018)

De Steve and Todd Jones

Com Andy Irons, Bruce Irons, Kelly Slater

55 minutos

Um dos filmes mais esperados das últimas décadas, Kissed by God narra a triunfal e trágica história do falecido tricampeão do mundo e sua luta contra a toxicodependência e o bipolarismo crónico. Andy protagonizou uma feroz rivalidade com Kelly Slater até sucumbir aos seus demónios interiores. Um retrato honesto, embora desculpabilizador de um dos mais brilhantes surfistas que já existiu, e um olhar inédito sobre os meandros mais escuros do surf profissional.

Riding Giants (2004)

De Stacy Peralta

Com Greg Noll, Jeff Clarke, Laird Hamilton

101 minutos

Depois de levar o skate para o grande ecrã com Dogtown & the Z-Boys, o ex-skatista profissional, Stacy Peralta, aponta as suas lentes para o surf com igual astúcia e rigor histórico. A história do surf em ondas gigantes é aqui contada através das narrativas individuais de três ícones do desporto, recorrendo a entrevistas, imagens de arquivo e reconstituições gráficas, num documentário que ombreia com o que de melhor se faz no género.

 

Bra Boys (2007)

De Sunny Abberton e Macário de Souza

Com Koby, Sunny e Jai Abberton, Mark Matthews, Richie Vas.

90 minutos

O ator Russell Crowe narra a história da problemática comunidade surfista de Maroubra, nos subúrbios de Sydney, num premiado relato de teor social que envolve violência, drogas, racismo, famílias disfuncionais e o surf como tábua de salvação. Muito bem construído do ponto de vista narrativo e ilustrado por sessões de surf épicas em ondas de alto risco, como Ours, Cyclops e outras, Bra Boys ultrapassa as fronteiras do filme de surf.

 

Momentum Generation

De Jeff e Michael Zimbalist

Com Kelly Slayer, Rob Machado, Shane Dorian, Ross Williams, Benji Weatherly, Taylor Knox, Kalani Robb, Pat O’Connell, Taylor Steele

113 minutos

O documentário que conta a ascensão da geração de Kelly Slater ao topo do surf mundial, revolucionando pranchas, níveis de performance, filmes e o surf como um todo. Um relato emocionado de como um grupo de amigos encontrou no surf um escape para contextos familiares desafiantes para atingir o sucesso profissional mas com duros desafios pela frente, incluindo relações desfeitas, a morte de amigos, problemas de drogas e a agonia do fim da carreira, emergindo do outro lado com laços de amizade mais sólidos que nunca. Essencial para se compreender o surf contemporâneo.

 

Blue Horizon (2004)

De Jack McCoy

Com Kelly Slater, Andy Irons, Dave Rastovich

90 minutos

A história paralela de dois surfistas profissionais com percursos e posturas diametralmente opostas, contada por um dos mestres do género. O ultracompetitivo Andy Irons, no apogeu da sua rivalidade com Kelly Slater, conquista o seu segundo título mundial, contrasta com a bucólica bonomia espiritual do australiano Dave Rastovich.

 

Sea of Darkness (2008)

De Michael Oblowitz

Com Peter McCabe, Martin Daly, Jeff Chitty, Dick Hoole, Bob McKnight, John Milius

85 minutos

Através de quatro pioneiros da exploração de ondas na Indonésia dos anos 70, conta-se aqui como o sonho do surf se pode transformar num pesadelo quando financiado através do tráfico de drogas. Magistralmente realizado, tornou-se num filme maldito, de difícil acesso, pelas ligações que estabelece entre a indústria do surf e o seu passado obscuro.

 

Free Ride (1977)

De Bill Delaney

Com Mark Richards, Shaun Tomson, Rabbit Bartholomew,

80 minutos

Conduzido por uma banda sonora contagiante e por uma então inovadora cinematografia, este é o filme que representa o momento de nascimento do surf profissional e de novos patamares de performance estabelecidos por uma geração de australianos e sul-africanos decididos a conquistar o mundo. Um dos melhores filmes de surf de sempre.

 

Billabong Surf Into Summer

De Billabong e Rick Lloyd

Com: Occy, Sunny Garcia, Jason Buttonshaw, Matt Branson, Mark Richards, Tom Curren

54 minutos

No Portugal do final dos anos 80, parecei que todos os surfistas portugueses tinham um VHS pirata deste filme em casa, tornando bandas como T.S.O.L. e Agent Orange nas preferidas de toda a gente. Para quem viveu aqueles tempos, é impossível ouvir as canções do filme sem ser instantaneamente transportado para as imagens do jovem Jason Buttonshaw (grande promessa que não deu em nada), a partir a loiça em Kirra, ou do mítico heat em Bells entre Occy e Curren, ou da magistral vitória de Mark Richards num campeonato disputado em Waimea gigante. Tudo narrado e contextualizado pela voz e palavras de Matt Warshaw. Um íconde um tempo e uma geração.

Surfers — The Movie (1990)

De Bill Delaney

Com Martin Potter, Matt Archbold, Rabbit Bartholomew, Shaun Tomson, Michael Tomson, Miki Dora, Kelly Slater, Cheyne Horan, Derek Ho, Johnny-Boy Gomes e muitos mais.

77 minutos

No topo da lista de muita gente como o melhor filme de surf de sempre, Surfers the Movie é um retrato da cultura do surf, com todas as suas diferenças, coesões e paradoxos, pelas palavras de alguns dos seus maiores protagonistas, que deixam testemunhos preciosos e de desarmante honestidade sobre suas diferentes vivências do surf. Com uma banda sonora insuperável e uma edição com a estria de um dos maiores cineastas saídos deste meio, é um filme obrigatório para se compreender que o surf é tudo menos um plano uniforme.

Modern Collective (2009)

De Kai Neville

Com Jordy Smith, Dane Reynolds, Dusty Payne, Mitch Coleborn, Yadin Nicol, Dion Agius

60 minutos

Foi com Modern Collective que Kai Neville afirmou seu nome como o mais importante e criativo cineasta da sua geração. Reunindo um grupo de surfistas que na altura liderava a transformação dos paradigmas de performance, incorporando o power surfing a uma mestria nunca antes vista do surf aéreo, Modern Collective representou para os anos 2000 o que Momentum representou para os anos 1990. Surf de vanguarda com banda sonora a condizer e uma edição que até hoje causa arrepios, este filme é a própria definição de progressivo.

View From A Blue Moon (2015)

De Blake Kueny

Com John John Florence, Greyson Fletcher, Alex Florence, Ivan Florence |

58 minutos

Se o objetivo deste filme era afirmar John John Florence como o melhor surfista do planeta, independentemente de resultados em heats ou campeonatos, a missão foi cumprida. Todo filmado em 4k, os planos transbordam de beleza e de inovação, com ângulos até então nunca vistos e um grau de detalhe sobre as ondas e as performances dos surfistas até então jamais captado. Tecnicamente, VFBM elevou a fasquia dos filmes de surf a outro patamar. Tal com JJF faz dentro de água.

Five Summer Stories (1972)

De Jim Freeman, Greg MacGillivray

Com David Nuuhiwa, Eddie Aikau, Jeff Hakman, Gerry Lopez, Sam Hawk

94 minutos

Se algum filme de surf merece o estatuto de filme de culto, é a obra-prima da dupla Freeman-McGillivray. Primorosamente filmado e retratando os melhores surfistas da altura no seu apogeu, Five Summer Stories é o grito de liberdade de uma geração que procurava o seu lugar no rescaldo da guerra do Vietname, marcando também um ponto divisor entre a abordagem comercial do surf e uma visão mais pura e íntegra do desporto. Um clássico em todo o sentido da palavra que durante anos foi, com toda a razão, considerado como o melhor filme de surf jamais produzido.

Saca – O Filme de Tiago Pires

De Júlio Adler

Com Tiago Pires, José Gregório, Frederico Morais, Sunny Garcia, Kelly Slater, Martin Potter, Jeremy Flores, Gonçalo Cadilhe

106 minutos

Apesar da curtíssima produção cinematográfica nacional de surf, não poderia faltar a esta lista o mais ambicioso e bem conseguido projeto do género já feito em Portugal. Realizado pelo brasileiro, Júlio Adler, Saca pega na história do emblemático surfista da Ericeira para construir uma narrativa em torno da história do surf português, da ténue linha que separa a vitória e a derrota, fazendo também uma reflexão sobre o fim da carreira de competidor. Analistas internacionais como Matt Warshaw, Nick Carroll e Derek Hynd consideraram-no, na altura, o melhor filme biográfico já feito sobre um surfista. Com uma banda sonora original assinada pelos irmãos, João Paulo e Mário Feliciano, e pelo músico Benjamin, e contando ainda com a participação especial de Steve Shelley, baterista dos Sonic Youth, Saca intercala momentos vibrantes de surf com depoimentos reveladores sobre os dilemas da carreira de um surfista profissional.

Letting Go (2006)

De George Opadchy, Jamie Tierney

Com Kelly Slater, Simon Anderson, Mark Richards, Martin Potter, Todd Kline, Mark Occhilupo, Bruce Irons, Taylor Knox, Sean Slater, Steven Slater, Judy Slater

63 minutos

Em 2005, após três títulos consecutivos de Andy Irons, havia quem decretasse o final da vitoriosa carreira do mais dominante surfista de todos os tempos, incluindo o próprio, que começava a duvidar da sua capacidade de derrotar o seu arquirrival. Letting Go documenta o processo interior de Slater no sentido de recuperar a confiança que o lançaria na segunda metade da sua assombrosa carreira. No auge da histórica rivalidade entre os dois surfistas, Andy recusou-se a dar o seu depoimento para o filme, o que cria um inegável vazio, mas isso não impede Letting Go de ser um honesto e emocionante documentário sobre as dificuldades que mesmo os melhores do mundo enfrentam para atingir o topo.

Searching for Tom Curren (1996)

De Sonny Miller

Com Tom Curren

43 minutos

Não falta quem considere este como o melhor filme de surf de sempre. Captando o genial e enigmático californiano no auge das suas habilidades e dos seus mistérios, Sonny Miller produziu um clássico absoluto da filmografia de surf. Mas o curioso é como o filme justifica-se a si próprio mais por aquilo que retrata — o sur de Curren — do que pelos artif´cios criativos usados para o fazer. Não se retira mérito nenhum ao malogrado Miller, um dos mais capazes cineastas que surf o surf já gerou. O seu grande feito aqui é precisamente não tentar sobrepor-se ao seu tema. Como disse alguém, o visionamento regular de Searching deveria ser obrigatório, como referência de estilo e fluidez. E como o recente Free Scrubber veio demonstrar, a aura e apelo de Tom Curren permanecem tão relevantes hoje em dia como na altura de Searching.

Momentum (1992)

De Taylor Steele

Com Kelly Slater, Rob Machado, Shane Dorian, Ross Williams, Benji Weatherly, Kalani Robb e companhia

40 minutos

Considerado um dos filmes mais influentes de sempre, Momentum foi pioneiro numa nova abordagem que transformou uma forma de arte tradicionalmente contemplativa numa experiência explosiva para a geração dos vídeos. A fórmula era simples: punk rock + edição estonteante + ripanço. Ser amigo próximo da geração que viria dominar o surf na década seguinte ajudou Steele a estabelecer a sua marca na indústria. A presença nos seus filmes tornou-se tão importante quanto os resultados em campeonatos. Às vezes mais. O título do filme, revela que Steele e a geração aqui representada tinham a consciência plena da transformação que protagonizavam. Depois disto, nunca mais o surf foi o mesmo.

1 Comment

  1. Obrigado pela lembrança Camarada!
    Abrazzos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *